Leitores

segunda-feira, 14 de junho de 2010

O Egoísta

_ Cara, conta novamente aquela história do acampamento!
_ Mas você conhece tão bem esta história que chega a contar melhor que eu!
_ Ah, mas é sempre mais divertido quando o narrador é diegético!
_ Ok, então, vamos lá...


Minha namorada, na ocasião, e eu planejávamos há tempos acamparmos em uma área remota do litoral carioca conhecida como Praia do Perigoso. Às vésperas de nossa aventura, ela me apresentou um amigo, quando estávamos em uma festa (lembro que era o nome de algum apóstolo bíblico, mas não me recordo qual). Comentamos sobre a tal praia e ele ficou todo empolgado, ainda mais quando soube que lá costuma aparecer golfinhos. Ofereceu-se para nos fazer companhia.
O que era para ser um fim de semana romântico tornou-se um inferno. Nosso colega desbravador não sabia ficar calado e reclamava desde as condições das estradas de terra até o tipo de calçado inapropriado, segundo sua avaliação, que minha namorada e eu usávamos. O trajeto não era fácil, mas penoso mesmo era suportar as constantes queixas de nosso bandeirante.
Chegando no local, fomos muito bem recebidos por uma comunidade hippie. Nosso gentil anfitrião chamava-se “Sempre Eterno”. Claro que este não é seu nome de batismo, mas gostei do criativo pleonasmo. Ele também poderia escolher “Infinito Perpétuo”, mas acho que não soaria tão legal. Devidamente acolhidos pelos simpáticos ripongas, fomos convidados para almoçar com eles um fabuloso risoto de mexilhão. Claro que nosso companheiro de viagem “Sempre Chato” precisava fazer uma de suas exigências: “Não tem um feijãozinho, não? Se não tiver feijão eu não como!”
À noite, tivemos que hospedar nosso inconveniente colega em nossa barraca (que acomodava desconfortavelmente duas pessoas). Estava chovendo e ele não trouxe sua própria barraca alegando preferir dormir sob as estrelas. Ele também comeu de nossa comida. Não levou mantimentos afirmando que ele sabia pescar e não fazia muita questão de comida. A essa altura eu já estava preocupado com a integridade de minha namorada se ele resolvesse declarar não sentir falta de sexo...
Na volta, o repertório de reclamações ganhou um agravante, já que não conseguimos ver nenhum golfinho. Quando chegamos à estação de trem (para chegarmos onde deixei o carro), vi uma barraquinha de doces e resolvi comprar um pacote de biscoito recheado de morango (meu preferido). Foi aí que o resmungão materializou-se do meu lado como por encanto e disparou o que para mim foi a gota d’água: “Pô, não compra de morango, não! Compra de chocolate! Eu prefiro chocolate!”
Meio atordoado, tentei explicar que eu não gostava de chocolate, mas ele insistiu: “Todo mundo gosta de chocolate! Quer ser diferente, é? Anda, compra de chocolate, senão não como!”
Apesar do sangue fervendo em minhas veias, mantive a compostura e procurei responder com educação: “Estou comprando com meu dinheiro, portanto comprarei o que eu gosto. Aqui tem o suficiente para nós três, se quiser, mas não vou comprar o de chocolate!”
Visivelmente alterado por ter sido contrariado, o “Sempre Mimado” apontou-me seu dedo acusador e proferiu a pérola definitiva daquele final de semana: “Sabe qual é o seu problema? Você é um tremendo egoísta! Tudo tem que ser do jeito que você quer! Seu egoísta! E-go-ís-ta!!”
_ Hahaha! Eu me acabo com essa história! Que cara sem noção!
_ Se podemos tirar uma lição disso tudo é que devemos ter cuidado ao criticar alguém, pois é nos outros que reconhecemos nossos próprios defeitos.
_ Cara, se isso acontece comigo, juro que arrancava a bermuda desse sujeito e enfiava o pacote de biscoito inteirinho lá onde o sol não bate!
_ E você acha que não tive essa vontade?
_ E por que não fez?
_ É que o biscoito era de morango, lembra? Ele tem predileção por chocolate...

4 comentários:

Alessandro Rabello disse...

hahaha! Muito legal! Fala ae Clivo.. estive afastado do Blogger, é bom estar de volta! Abraço!

Fernanda disse...

huahuahuahua
arrasou!!!
Cara, vc foi a praia do perigoso? só conheçoa trilha para a pedra da tartaruga e já achei divino aquilo lá.

nem me fale em egoísmo...
Não sei se fui egoísta ou enrolada, para variar um pouco.

Jefferson de Morais disse...

Adorei! hehehe
Sempre tem um eterno chato! rs

P.S.: É meu biscoito recheado preferido também! rs

Um abraço,
Jefferson.

- Natália disse...

tio realmente muito boa hahaha'