Leitores

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Sorriso-Moeda

Não sou nenhum luthier, mas quando necessário faço manutenções básicas em meus instrumentos musicais. Há tempos que venho prometendo consertar o violão de meu pai. Tal violão tem, além de uma ótima acústica, uma história bem bacana. Fora o primeiro violão que meu pai comprou aos dezessete anos, antes de ter saído do Rio Grande do Norte para vir morar aqui no Rio de Janeiro. Assim como eu, meu pai aprendeu sozinho a arranhar suas modinhas. Meio século de canções e algumas tarraxas quebradas, vários desgastes e arranhões. Meu pai chegou a comprar dois substitutos, mas sempre se queixava afirmando que seu antigo violão potiguar era muito melhor.
Depois de lixá-lo e envernizá-lo, comprei paletas de tarraxas novas e fiz uma peregrinação por várias lojas em busca dos parafusos exatos. Nunca pensei que fosse tão difícil encontrá-los. Por fim, cheguei em uma loja onde fui atendido pelo dono, um sujeito bonachão, receptivo e atencioso. Quando mostrei o parafuso que eu procurava, ele perguntou “Está com paciência?”. Balancei a cabeça afirmativamente e ele me trouxe um pote grande com centenas de parafusos de vários calibres e modelos diferentes. Ele me ajudou a procurar alguns que fossem parecidos com os que eu precisava e conseguimos separar um punhado. Perguntei a ele quanto me custaria.
_ Apenas um sorriso – respondeu-me.
Depois de tanto procurar os parafusos, não esperava um preço tão camarada. Para disfarçar minha “sem-gracice”, perguntei em tom de brincadeira:
_ Posso deixar fiado?
Ambos rimos e, com o valor devidamente pago e com direito a troco, nos despedimos.
Quando entreguei o violão a meu pai, seu sorriso fez valer todo esforço e me dei conta do quão valioso e rentável é negociar com “sorriso-moeda”.
Sorrir é sempre um bom investimento, não nos custa nada e o retorno é garantido. Difícil entender como, ainda assim, há tantas pessoas que insistem em ser inadimplentes.

3 comentários:

Glaucia disse...

Adorável, encantador e causador de um belo sorriso!!

Ser disse...

Rapaz, boa crônica. Deixo então um sorriso no chapéu eletrônico de seu blog-viola.

Luana Temperine disse...

rsrsrsrsrsrsrsrsrs
Posso pagar parcelado???